Let me tell you the story of Genecoin

The story of Genecoin is about genes and biological sciences, about doing business, and about contracts. New contracts, smart contracts on a blockchain network. You’ve probably heard about the blockchain technology and thousands of cryptocurrencies that came to life since the launch of Bitcoin in 2009. Genecoin is one of those cryptocurrencies. It’s digital programmable money. And I can tell you the story of Genecoin because I’m one of its creators.

I believe you know I’m a lawyer. You can read that on my bio, next to my name, on this page. So, I deal with the law. People need laws to make clear that everyone is obliged to do some nice things in certain situations. But to some people, specially entrepreneurs, the law has too many rules… and it has not all the necessary rules. Even worse, it has unnecessary or unwanted rules. That’s why entrepreneurs pay lawyers. If they can’t find a certain rule or its interpretation, lawyers will do it accurately. If they can’t do something because it is against the rules, lawyers will find an alternative. And if they need to enforce a rule that is not in the law, lawyers create contracts. My story about this thing called Genecoin starts with contracts.

My friend Mauro de Freitas Rebelo, who is also my client, is a biologist and researcher at the Federal University of Rio de Janeiro. Also, he is an entrepreneur. So, he needs lots of contracts. But his restless mind wants more than contracts with new rules. He wants new kinds of contracts.

I guess he would love a contract that talks to the parties, that tells them what to do in each situation, that helps mediate any dispute. Well, my law firm can’t offer this kind of intelligent contract yet. But about more than a year ago, we talked about smart contracts. They work like software, in computers, and we were both certain that they are more than the future of contracts.

I always saw contracts as software. Contracts written on paper are a kind of software run by humans. When I examine any contract, I look for bugs, like a software developer. Smart contracts are programmable contracts, made to be run by electronic computers, not by humans. Actually, they are not really smart, and they have nothing to do with artificial intelligence. The smart thing about these contracts is: they do transactions automatically and they are self executable. Sometimes they depend on humans to do the data inputs, but not to produce the outputs. If they run in a blockchain network, once they receive the correct inputs, nobody can change these smart contracts, and nobody can stop them.

Well, I may talk like I could write software, but my coding skills are poor. Mauro is not a coder either. We knew we would need an IT guy for a multidisciplinary smart contract development.

Fabio Gouveia, another friend of ours, is a biologist whose job at Fiocruz, in Rio de Janeiro, is very close to informatics: he is an information scientist, and he has some valuable IT skills. Besides, the entries about blockchain technology and cryptocurrencies in his encyclopedic mind would soon become an important asset in our informal start-up.

Mauro, Fabio and I use to meet regularly to drink some beers. We talk a lot about blockchain technology and smart contracts. As a result, we have elaborated some interesting ideas on how to use smart contracts to speed up scientific research.

As an information scientist, Fabio Gouveia is the perfect guy to design smart contracts that can select automatically young scientists qualified to participate in our marketplace. Oh, I had not mentioned the marketplace yet! We will use Genecoins to make transactions in a marketplace for scientific products and services. And this marketplace won’t be part of a company, or a service provided by a legal person. No! This marketplace should work in an automatic, autonomous, distributed way. No owners, no managers, no sellers. The only humans to operate this marketplace are its users, clients and suppliers.

This kind of marketplace is possible because of blockchain technology and smart contracts. Let me explain. Generally, when smart contracts run in a blockchain network, they are immutable. So, when we know what a certain smart contract does in a blockchain network, when we understand its code, we can be sure that for a given input, the contract will provide a certain output. And it doesn’t matter who are the parties or who made the contract, as well as it doesn’t matter who is Satoshi Nakamoto, the name associated to the mysterious creator of Bitcoin. Everybody can trust a smart contract whose code promises to deliver something, like everybody can trust transactions with Bitcoins, knowing that there will never be a Bitcoin falsification.

We can trust smart contracts because of the ingenious blockchain technology behind them. Once we trust a smart contract, there’s no need to trust the human parties that participate in those contracts. One cannot cheat when dealing through a smart contract. And that is the ultimate beauty of cryptocurrency transactions in smart contracts.

Well, as I told you, the story of Genecoin, our cryptocurrency for the bioeconomy, was about contracts. Now you can see, it’s true! Because Genecoin transactions will happen in a marketplace that is nothing more than a bunch of smart contracts.

But you may think… why Genecoin? Why not US dollars, Brazilian reals, Chinese yuans? Why not Bitcoins or Ether, the most popular cryptocurrencies? Wouldn’t they do the same? No, not really.

When we created Genecoin, we didn’t have in mind Bitcoin 2, the sequel. Absolutely not! We are all biologists*. We don’t think about Genecoin as pure and simple money. When creating Genecoin, we designed a whole ecosystem where Genecoins would come to life, into an autonomous and distributed business model.

To do that, we thought, the three of us were not enough. We needed someone with the skills to design that unusual business model. With the vision of a young scientist and the energy to turn ideas into action. This person was Barbara Schorchit, a student of chemical engineering at the Federal University of Rio de Janeiro. She is a champion. Literally. She won the hackathon at PUC-Rio for designing a mobile app to facilitate solutions to legal disputes through mediation. Also, she is a two time swimming champion in Brazil. Nobody achieves that much, beeing so young, without lots of discipline, intelligence and working capacity. So she became a partner and our forth valuable asset.

(Continues at https://medium.com/@bernardoagmonte/why-genecoin-53ed18511049)

Curious? Know more about Genecoins at http://genecoin.science

See you soon. Stay tuned!


*I said I’m a lawyer, now I say that we are all biologists. You may conclude: I’m a lawyer and a biologist. That’s right. I graduated twice at the Federal University of Rio de Janeiro. First, Biological Sciences, and some years later, Law School.

Mauro, Bernardo and Fabio, at a coffe shop in Rio de Janeiro, at the moment of creation of the 100,000,000 Genecoins, using an ICO launching platform from Estonia, on the internet.

Barbara Schorchit, winner of the Hackathon at PUC-Rio in 2017

If you like the Genecoin project, please share this article with your friends and followers. Thank You!

 

**This text was originally published at https://medium.com/@bernardoagmonte/let-me-tell-you-the-story-of-genecoin-ffe03c23104b on January 27th, 2018.

Anúncios

É possível gerir negócios alheios legalmente, sem procuração ou autorização?

A realização de negócios de Direito Patrimonial Privado em nome de outra pessoa, sem procuração, pode ser feita legalmente, desde que observadas as normas dos artigos 861 a 875, do Código Civil brasileiro, sobre “atos unilaterais de gestão de negócios”.

  • A realização de negócios de Direito Patrimonial Privado em nome de outra pessoa, sem procuração, pode ser feita legalmente, desde que observadas as normas dos artigos 861 a 875, do Código Civil brasileiro, sobre “atos unilaterais de gestão de negócios”.

Seria muito inconsequente dizer simplesmente que qualquer pessoa de boa-fé pode realizar atos de gestão do negócio de outra pessoa sem autorização ou procuração. Se o dono do negócio ou seu administrador tem condições de gerir, terceiros não devem interferir nessa gestão. Mas em algumas circunstâncias, torna-se desejável que terceiros tomem iniciativas, ainda que não expressamente autorizados, para evitar prejuízos ou garantir ganhos no negócio de outra pessoa.

Essas iniciativas de gestão que excedem os poderes do gestor são tratadas, às vezes, com desconfiança e reprovação em contratos sociais ou estatutos de empresas. O contrato pode prever que o sócio ou administrador que praticar atos em excesso de poder “responderá” pessoalmente por eles. “Responder” nesses casos refere-se a ter “responsabilidade civil”, que pode ser explicado em português claro como um dever de indenizar, com dinheiro do bolso do próprio gestor. Mas esse tipo de regra contratual de responsabilização automática do gestor em excesso de poderes não decorre necessariamente do que está na lei.

shutterstock_325114352

Vejamos como funciona o Código Civil com relação ao gestor de sociedade quando ele excede os poderes de administração. Continue Lendo “É possível gerir negócios alheios legalmente, sem procuração ou autorização?”

Quando a procuração perde a validade? E o que pode ser feito?

Uma procuração pode perder a validade por vários motivos, mesmo que ainda esteja dentro do prazo, ou mesmo que não tenha prazo de vigência. Em caso de ausência ou invalidade da procuração, o interessado pode praticar atos unilaterais de gestão de negócios que pertencem a outra pessoa, mesmo sem autorização, desde que siga a vontade presumida da dona do negócio.

  • Uma procuração pode perder a validade por vários motivos, mesmo que ainda esteja dentro do prazo, ou mesmo que não tenha prazo de vigência. Em caso de ausência ou invalidade da procuração, o interessado pode praticar atos unilaterais de gestão de negócios que pertencem a outra pessoa, mesmo sem autorização, desde que siga a vontade presumida da dona do negócio.

A procuração é o documento, assinado pelo mandante, que dá forma ao contrato de mandato, definido no Código Civil a partir do artigo 653. A procuração transfere poderes do mandante ao mandatário, também chamado de procurador. Com uma procuração, o mandatário pode praticar determinados atos da vida civil em nome do mandante, devendo prestar contas ao mandante, e devendo indenizar qualquer prejuízo causado com culpa.

shutterstock_313073270

A procuração pode ter data de validade ou não. Se a procuração não perder a validade por atingir o fim da vigência apontado no próprio texto do mandato, poderá tornar-se inválida pelos seguintes motivos (artigo 682 do Código Civil): Continue Lendo “Quando a procuração perde a validade? E o que pode ser feito?”

Às vezes, mesmo quem faz tudo certinho acaba tendo que indenizar alguém

Em geral, um ato ilícito, ou melhor, a violação de um dever juridicamente relevante, é o que gera a obrigação de indenizar. Mas alguns atos lícitos, perfeitamente corretos e justificáveis, também podem obrigar a pessoa a indenizar. Pois é… o Direito tem dessas coisas…

Texto originalmente publicado no blog “Moleque Esperto – Direito para menores e seus responsáveis”.

  • Em geral, um ato ilícito, ou melhor, a violação de um dever juridicamente relevante, é o que gera a obrigação de indenizar. Mas alguns atos lícitos, perfeitamente corretos e justificáveis, também podem obrigar a pessoa a indenizar. Pois é… o Direito tem dessas coisas…

Nem todo ato ilícito gera dano assim como nem todo dano é gerado por ato ilícito. Por exemplo, se um motorista avança por um sinal vermelho em uma rua deserta, comete um ato ilícito sem causar dano a ninguém.

Mas como pode um ato lícito, legal e correto, gerar dano a alguém? Existem três situações em que isso pode acontecer: legítima defesa, exercício regular de um direito e estado de necessidade.

Normalmente, o que é lícito e correto, mesmo gerando dano para alguém, não obriga o autor do dano a indenizar a vítima.

Se um adolescente é agredido por alguém e empurra essa pessoa para se proteger, e a pessoa tropeça e bate com a cabeça, sofrendo uma lesão, o adolescente produziu um dano em legítima defesa. Nesse caso, quem se defendeu não precisa indenizar o agressor. Ainda bem, não é?

Se você propõe uma ação judicial contra alguém, com boa-fé, e perde, você talvez tenha que pagar as despesas processuais e os honorários dos advogados, mas não precisará indenizar o réu por danos morais, ou por danos à sua imagem de respeitável cidadão, porque você terá agido no exercício regular de um direito, o direito de acesso ao Judiciário, o direito de ação.

Isso tudo é quase intuitivo, mas o terceiro caso de exclusão da ilicitude é um pouco mais complicado. Imaginemos que o moleque esperto está voltando da escola para casa e vê um amigo atravessando a rua fora do sinal, distraído, ensurdecido pela música que ouve de seus fones de ouvido. Nesse momento surge um caminhão na velocidade mais alta permitida para aquela via. O motorista, sabendo que não conseguiria frear a tempo, buzina para alertar o menino, que não reage e continua andando tranquilo pelo asfalto. Por um desses reflexos que só pessoas saudáveis e sóbrias têm, o motorista desvia o caminhão bruscamente e destrói o muro da casa do moleque esperto. Um prejuízo enorme, mas necessário para evitar a morte de um adolescente. O motorista fez o que era melhor, produzindo um dano apenas para evitar perigo iminente de dano maior. Esse tipo de situação é chamado de estado de necessidade.

(Código Civil)

Art. 188. Não constituem atos ilícitos:

I – os praticados em legítima defesa ou no exercício regular de um direito reconhecido;

II – a deterioração ou destruição da coisa alheia, ou a lesão a pessoa, a fim de remover perigo iminente.

Parágrafo único. No caso do inciso II, o ato será legítimo somente quando as circunstâncias o tornarem absolutamente necessário, não excedendo os limites do indispensável para a remoção do perigo.

O moleque esperto sabe que o motorista fez apenas o que era necessário. Mas e o que fazer depois? Os pais do moleque esperto poderão pedir reparação dos danos ao motorista? Sim, poderão. Mas o motorista tem culpa? Não. Na verdade não pode haver culpa se o que o motorista fez foi correto, foi o que tinha que ser feito mesmo. Só se discute culpa de uma pessoa quando ela faz algo errado, um ato ilícito, contra lei ou contrato.

Então… por que o motorista tem que pagar? Bom, o moleque esperto, se por um lado fica com pena do motorista, por outro fica aliviado por saber que sua mesada não corre o risco de ser afetada por despesas extras de reconstrução do muro. Ele pensa: “Alguém tem que pagar, não é mesmo? Então que seja o motorista, autor do dano”. Mas o real motivo… bom, o real motivo é muito discutido. “Alguém tem que pagar” é uma explicação muito fraca. Mas temos que convir que deixar os pais do moleque esperto arcarem com o prejuízo é injusto. Eles nem estavam presentes no momento do acidente.

Mas não precisa ficar com tanta pena do motorista que será obrigado a pagar o estrago. Existem outras regras para protegê-lo, lá pelo meio do Código Civil, nos artigos 929 e 930. Eles dizem que o motorista pode cobrar do causador do perigo de atropelamento a quantia paga aos pais do moleque esperto. Agora sim! Então ele pode cobrar do adolescente que ouvia música com fones de ouvido no meio da rua? Será que pode? Talvez. Ou deve cobrar dos pais do garoto que deixaram ele andar na rua com fones de ouvido? Talvez. Você saberá um pouco mais sobre essas questões lendo o texto “Quem paga a conta quando o menor causa dano a outra pessoa?

(Código Civil)

Art. 929. Se a pessoa lesada, ou o dono da coisa, no caso do inciso II do art. 188, não forem culpados do perigo, assistir-lhes-á direito à indenização do prejuízo que sofreram.

Art. 930. No caso do inciso II do art. 188, se o perigo ocorrer por culpa de terceiro, contra este terá o autor do dano ação regressiva para haver a importância que tiver ressarcido ao lesado.

Parágrafo único. A mesma ação competirá contra aquele em defesa de quem se causou o dano (art. 188, inciso I).

Mas a discussão ainda não acabou. O que acontece se o motorista destrói um muro por ter desviado de uma arara azul igual ao personagem Blu do filme Rio? A arara resolveu pousar no asfalto quente no momento em que passava um caminhão. O motorista, que tinha visto o filme Rio dias antes, sentiu que ia atropelar o mais novo símbolo do povo brasileiro, reconhecido no mundo inteiro e… destruiu o muro… agiu em estado de necessidade, claro! Mas e agora? O motorista paga o prejuízo aos pais do moleque esperto, mas cobra de quem? Da União? do Estado? do Município? Do Carlos Saldanha?

É… agora sim, podem ficar com pena do motorista… o Direito nesse caso não o ajuda em nada.

Referências:

PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de Direito Civil – vol. I. 12ª edição. Rio de Janeiro, Forense, 2006, pp. 669-671.

CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de Responsabilidade Civil. 6ª edição. São Paulo, Malheiros, 2006. pp. 41-43

CÓDIGO CIVIL comentado : doutrina e jurisprudência. Coord. Cezar Peluso. – 3ª ed.- Barueri, SP: Manole, 2009.

Quem paga a conta quando o menor causa dano a outra pessoa?

Responsabilidade civil é o dever de indenizar que surge, em geral, de um ato ilícito. Quem responde, ou melhor, quem indeniza é quem causou o dano, em regra. Mas, como vocês sabem, toda regra tem exceções, e o Direito tem muitas regras e muitas, muitas exceções.

Texto originalmente publicado no blog “Moleque Esperto – Direito para menores e seus responsáveis”.

  • Responsabilidade civil é o dever de indenizar que surge, em geral, de um ato ilícito. Quem responde, ou melhor, quem indeniza é quem causou o dano, em regra. Mas, como vocês sabem, toda regra tem exceções, e o Direito tem muitas regras e muitas, muitas exceções.

shutterstock_93539038

Um dos requisitos para se responsabilizar uma pessoa por um dano causado a outra é o chamado nexo causal. Para que haja nexo causal é preciso que haja uma ligação lógica, de causa, entre uma ação ou omissão de uma pessoa e o resultado danoso. Outro requisito para que uma pessoa seja responsabilizada é a culpa. Mas haverá dever de indenizar, independente de culpa, em certos casos previstos na lei, ou nos casos em que a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano criar um risco para os direitos de outras pessoas.

Bom, o dever de indenizar parece um conceito mais ou menos simples, bastando, para sua aplicação, que haja dano, nexo causal e, em regra, culpa, que pode ser excepcionada pela lei ou pelo risco causado pelo autor. Mas veremos que nada é tão simples assim quando examinado com um pouco mais de profundidade…

Os pais respondem, independentemente de culpa, pelos danos que o menor causa a terceiros se o menor está sob sua autoridade e companhia (artigos 932 e 933 do Código Civil).

Art. 932. São também responsáveis pela reparação civil:

I – os pais, pelos filhos menores que estiverem sob sua autoridade e em sua companhia;

II – o tutor e o curador, pelos pupilos e curatelados, que se acharem nas mesmas condições;

III – o empregador ou comitente, por seus empregados, serviçais e prepostos, no exercício do trabalho que lhes competir, ou em razão dele;

IV – os donos de hotéis, hospedarias, casas ou estabelecimentos onde se albergue por dinheiro, mesmo para fins de educação, pelos seus hóspedes, moradores e educandos;

V – os que gratuitamente houverem participado nos produtos do crime, até a concorrente quantia.

Art. 933. As pessoas indicadas nos incisos I a V do artigo antecedente, ainda que não haja culpa de sua parte, responderão pelos atos praticados pelos terceiros ali referidos.


Por que os pais respondem pelos danos causados pelos filhos? Qual a ligação dos pais com o dano?

Os pais de certa forma causam o dano produzido pelos filhos quando, por ação ou omissão, falham no dever de vigiar o menor, ou no dever de escolher as pessoas que vigiam o menor, ou falham na educação do menor. O professor José Fernando Simão diz que, nesses casos, os pais têm culpa in vigilando, in eligendo ou in educando, respectivamente (o latim ainda é uma língua viva no Direito).

Caso o responsável não tenha obrigação de pagar ou se não dispuser de meios suficientes, o menor pagará com o seu patrimônio (art. 928 do Código Civil).

Art. 928. O incapaz responde pelos prejuízos que causar, se as pessoas por ele responsáveis não tiverem obrigação de fazê-lo ou não dispuserem de meios suficientes.

Parágrafo único. A indenização prevista neste artigo, que deverá ser eqüitativa, não terá lugar se privar do necessário o incapaz ou as pessoas que dele dependem.

A indenização não ocorrerá sempre pelo valor exato do dano. Tanto a indenização paga pelo responsável como a eventualmente paga pelo menor devem se ajustar à capacidade de pagamento da família do causador do dano e ao grau de necessidade de quem sofreu o dano. Essa justiça personalizada para cada caso concreto, de acordo com as circunstâcias, as condições econômicas e outras particularidades das partes, chama-se equidade.

O moleque esperto pode achar que os juízes deveriam sempre tomar decisões sob medida para cada caso concreto, mas isso traria muita insegurança para o Direito. Excesso de flexibilidade pode dificultar o cumprimento das leis. As pessoas não saberiam mais o que fazer para se adequar à lei, pois os juízes teriam muita liberdade para decidir cada caso de forma diferente. Nem sempre os juízes podem decidir com equidade, só quando a lei autoriza. Nesse caso, o artigo 928 do Código Civil traz a autorização necessária em seu parágrafo único.

Se o menor está na escola e causa dano a alguém, a escola tem o dever de indenizar a vítima, independentemente de culpa dos donos, da diretoria ou dos empregados da escola. Isso se deve ao fato de a escola ser um fornecedor de serviços e os alunos serem consumidores protegidos pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC – Lei 8.078 de 1990). O CDC diz que, em regra, os fornecedores de produtos e serviços respondem, independentemente de culpa, pelos danos causados aos consumidores ou pelas falhas em seus produtos ou serviços.

Por exemplo, se o menor relativamente incapaz destrói o material escolar do colega na escola, a própria escola deverá reparar o dano, pois ela é responsável pelo menor enquanto ele está ou deveria estar sob sua vigilância.

Posteriormente, a escola poderá tentar cobrar do incapaz ou de seus pais o valor despendido. Mas esse assunto é controvertido. A escola tem o dever de vigilância dos menores. Se a escola não cumpre com seu dever de cuidar dos alunos e algum deles sofre ou produz um dano, a escola deve arcar com o prejuízo, segundo Gonçalves. Mas autores como Raquel S. P. Chrispino sugerem que os pais do menor causador do dano poderão ser chamados a ressarcir a escola, na medida em que são também responsáveis pela educação dos filhos, apesar de não terem como vigiá-los diretamente na escola. Tal ideia parece fazer sentido apenas se o dano for causado por falha na educação do menor por culpa dos pais. Se o dano é causado por simples falha na vigilância do menor, o responsável deve ser a escola, única que pode vigiar o menor enquanto ele está em seu estabelecimento.

O Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/1990 ou simplesmente ECA), em seu artigo 116, diz que a autoridade poderá obrigar o adolescente (pessoa entre 12 e 18 anos de idade) a restituir a coisa, promover o ressarcimento do dano ou compensar o prejuízo da vítima, nos casos de atos infracionais que resultem em prejuízos materiais. Atos infracionais são condutas que poderiam ser enquadradas como crimes ou contravenções se praticadas por adultos capazes. Apenas nesses casos de atos infracionais, o adolescente absolutamente ou relativamente incapaz, entre 12 e 18 anos, seria o devedor principal, tão obrigado a indenizar quanto seu responsável. Mas se a conduta do menor não for ato infracional, o devedor principal será o pai ou a mãe, e o menor só responderá com os seus bens se o responsável não tiver obrigação de fazê-lo ou não dispuser de meios suficientes. Vejamos quando é que o responsável não tem obrigação de reparar o dano:

  • Quando o filho menor não está sob autoridade e companhia.
  • Quando o menor é emancipado.
  • Quando o dano for causado por força maior ou caso fortuito.
  • Quando o dano ocorre por culpa exclusiva da vítima ou de terceiro.

O menor que produz dano por ato ilícito terá dever subsidiário de indenizar, e os pais terão o dever principal, a não ser em caso de ato infracional com danos patrimoniais, em que ambos serão devedores solidários, ou seja, a indenização pode ser cobrada do menor ou dos pais, igualmente. Essa foi a solução para o aparente conflito de normas entre o artigo 942, parágrafo único (ver abaixo), e o 933 combinado com o 928 (vistos acima).

Art. 942. Os bens do responsável pela ofensa ou violação do direito de outrem ficam sujeitos à reparação do dano causado; e, se a ofensa tiver mais de um autor, todos responderão solidariamente pela reparação.

Parágrafo único. São solidariamente responsáveis com os autores os co-autores e as pessoas designadas no art. 932.

Tal entendimento foi aprovado na Primeira Jornada de Direito Civil promovida pelo Conselho da Justiça Federal em setembro de 2002, em que diversos juristas brasileiros reuniram-se para propor e votar as melhores interpretações para determinados artigos do então recém aprovado Código Civil. Os enunciados aprovados na Jornada de DIreito Civil não são obrigatoriamente aplicados no Direito, mas, em geral, são uma boa indicação de como a lei deve ser interpretada.

William Santos Ferreira chama a atenção para uma questão interessante. No momento do dano, os responsáveis pelo menor podem dispor de bens suficientes para indenizar, mas depois de algum tempo, especialmente se a indenização for discutida em demorado processo judicial, os responsáveis podem perder capacidade de indenizar enquanto o menor pode ter atingido a maioridade e adquirido bens suficientes. Nesse caso, se os pais ou responsáveis tiverem bens ao fim do processo, podem ser condenados a pagar, mas se os responsáveis não possuírem mais bens e o causador do dano dispuser de patrimônio suficiente, este último deverá pagar. Resumindo, decide-se quem paga a conta de acordo com as condições econômicas das partes ao fim do processo, que pode levar muitos anos, e nesse tempo o menor cresce e pode se tornar adulto e capaz.

Ferreira observa ainda que o menor pode ter dever de indenizar mesmo sendo absolutamente incapaz, o que pode parecer absurdo, mas tem sua razão. Os absolutamente incapazes recebem esse nome porque não têm o necessário discernimento para os atos da vida civil. Se o menor causa dano por falta de maturidade e compreensão, ele não tem culpa. E nos casos mais comuns, só há dever de indenizar quando há culpa da pessoa que provocou o dano. Então, por essa lógica toda baseada na lei, o menor absolutamente incapaz não deveria ter que indenizar nunca, por dois motivos: ele nunca teria culpa (será mesmo?); e dizer que a lei exige do menor uma indenização independente de culpa enquanto os maiores capazes somente são obrigados a indenizar quando têm culpa em situações semelhates, seria um flagrante absurdo. O menor é incapaz para que tenha proteção especial e não para ter mais deveres que os das pessoas capazes. Mas como diz Ferreira, alguém precisa pagar a conta. O Direito não pode deixar que um menino pobre fique com o prejuízo quando sofra um dano provocado por um menino rico em um caso em que os responsáveis não tenham os meios para pagar ou não tenham a obrigação de fazê-lo. Mas, devido à incapacidade do menor, essa indenização precisa ser feita com equidade.

A equidade, Direito adaptável ao caso concreto, é uma boa forma de promover justiça com normas tão contraditórias.

Legislação básica: art. 927 a 943 do Código Civil de 2002 e artigos 12 a 25 do Código de Defesa do Consumidor.

Referências:

PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de Direito Civil – vol. III. 12ª edição. Rio de Janeiro, Forense, 2006, pp. 556-560.

CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de Responsabilidade Civil. 6ª edição. São Paulo, Malheiros, 2006.

CHRISPINO, A. e CHRISPINO, R. S. P. A judicialização das relações escolares e a responsabilidade civil dos educadores. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 16, n. 58, pp. 9-30, jan-mar 2008.

FERREIRA, William Santos. Aspectos materiais e processuais da responsabilidade patrimonial do incapaz. Revista Jurídica:órgão nacional de doutrina, jurisprudência, legislação e crítica judiciária. Sapucaia do Sul, RS: Ed Notadez. Ano 55, n. 357, pp. 73-89, julho de 2007.

GONÇALVES, C. R. Responsabilidade civil. São Paulo: Saraiva, 2006. Apud CHRISPINO, A. e CHRISPINO, R. S. P. A judicialização das relações escolares e a responsabilidade civil dos educadores. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 16, n. 58, pp. 14, jan-mar 2008.

SIMÃO, José Fernando. Responsabilidade Civil do Incapaz – Busca pela Harmonização do Sistema. Revista Brasileira de Direito das Famílias e Sucessões. Porto Alegre: Magister. vol. 10, pp. 85-97, jun-jul. 2009.