Let me tell you the story of Genecoin

The story of Genecoin is about genes and biological sciences, about doing business, and about contracts. New contracts, smart contracts on a blockchain network. You’ve probably heard about the blockchain technology and thousands of cryptocurrencies that came to life since the launch of Bitcoin in 2009. Genecoin is one of those cryptocurrencies. It’s digital programmable money. And I can tell you the story of Genecoin because I’m one of its creators.

I believe you know I’m a lawyer. You can read that on my bio, next to my name, on this page. So, I deal with the law. People need laws to make clear that everyone is obliged to do some nice things in certain situations. But to some people, specially entrepreneurs, the law has too many rules… and it has not all the necessary rules. Even worse, it has unnecessary or unwanted rules. That’s why entrepreneurs pay lawyers. If they can’t find a certain rule or its interpretation, lawyers will do it accurately. If they can’t do something because it is against the rules, lawyers will find an alternative. And if they need to enforce a rule that is not in the law, lawyers create contracts. My story about this thing called Genecoin starts with contracts.

My friend Mauro de Freitas Rebelo, who is also my client, is a biologist and researcher at the Federal University of Rio de Janeiro. Also, he is an entrepreneur. So, he needs lots of contracts. But his restless mind wants more than contracts with new rules. He wants new kinds of contracts.

I guess he would love a contract that talks to the parties, that tells them what to do in each situation, that helps mediate any dispute. Well, my law firm can’t offer this kind of intelligent contract yet. But about more than a year ago, we talked about smart contracts. They work like software, in computers, and we were both certain that they are more than the future of contracts.

I always saw contracts as software. Contracts written on paper are a kind of software run by humans. When I examine any contract, I look for bugs, like a software developer. Smart contracts are programmable contracts, made to be run by electronic computers, not by humans. Actually, they are not really smart, and they have nothing to do with artificial intelligence. The smart thing about these contracts is: they do transactions automatically and they are self executable. Sometimes they depend on humans to do the data inputs, but not to produce the outputs. If they run in a blockchain network, once they receive the correct inputs, nobody can change these smart contracts, and nobody can stop them.

Well, I may talk like I could write software, but my coding skills are poor. Mauro is not a coder either. We knew we would need an IT guy for a multidisciplinary smart contract development.

Fabio Gouveia, another friend of ours, is a biologist whose job at Fiocruz, in Rio de Janeiro, is very close to informatics: he is an information scientist, and he has some valuable IT skills. Besides, the entries about blockchain technology and cryptocurrencies in his encyclopedic mind would soon become an important asset in our informal start-up.

Mauro, Fabio and I use to meet regularly to drink some beers. We talk a lot about blockchain technology and smart contracts. As a result, we have elaborated some interesting ideas on how to use smart contracts to speed up scientific research.

As an information scientist, Fabio Gouveia is the perfect guy to design smart contracts that can select automatically young scientists qualified to participate in our marketplace. Oh, I had not mentioned the marketplace yet! We will use Genecoins to make transactions in a marketplace for scientific products and services. And this marketplace won’t be part of a company, or a service provided by a legal person. No! This marketplace should work in an automatic, autonomous, distributed way. No owners, no managers, no sellers. The only humans to operate this marketplace are its users, clients and suppliers.

This kind of marketplace is possible because of blockchain technology and smart contracts. Let me explain. Generally, when smart contracts run in a blockchain network, they are immutable. So, when we know what a certain smart contract does in a blockchain network, when we understand its code, we can be sure that for a given input, the contract will provide a certain output. And it doesn’t matter who are the parties or who made the contract, as well as it doesn’t matter who is Satoshi Nakamoto, the name associated to the mysterious creator of Bitcoin. Everybody can trust a smart contract whose code promises to deliver something, like everybody can trust transactions with Bitcoins, knowing that there will never be a Bitcoin falsification.

We can trust smart contracts because of the ingenious blockchain technology behind them. Once we trust a smart contract, there’s no need to trust the human parties that participate in those contracts. One cannot cheat when dealing through a smart contract. And that is the ultimate beauty of cryptocurrency transactions in smart contracts.

Well, as I told you, the story of Genecoin, our cryptocurrency for the bioeconomy, was about contracts. Now you can see, it’s true! Because Genecoin transactions will happen in a marketplace that is nothing more than a bunch of smart contracts.

But you may think… why Genecoin? Why not US dollars, Brazilian reals, Chinese yuans? Why not Bitcoins or Ether, the most popular cryptocurrencies? Wouldn’t they do the same? No, not really.

When we created Genecoin, we didn’t have in mind Bitcoin 2, the sequel. Absolutely not! We are all biologists*. We don’t think about Genecoin as pure and simple money. When creating Genecoin, we designed a whole ecosystem where Genecoins would come to life, into an autonomous and distributed business model.

To do that, we thought, the three of us were not enough. We needed someone with the skills to design that unusual business model. With the vision of a young scientist and the energy to turn ideas into action. This person was Barbara Schorchit, a student of chemical engineering at the Federal University of Rio de Janeiro. She is a champion. Literally. She won the hackathon at PUC-Rio for designing a mobile app to facilitate solutions to legal disputes through mediation. Also, she is a two time swimming champion in Brazil. Nobody achieves that much, beeing so young, without lots of discipline, intelligence and working capacity. So she became a partner and our forth valuable asset.

(Continues at https://medium.com/@bernardoagmonte/why-genecoin-53ed18511049)

Curious? Know more about Genecoins at http://genecoin.science

See you soon. Stay tuned!


*I said I’m a lawyer, now I say that we are all biologists. You may conclude: I’m a lawyer and a biologist. That’s right. I graduated twice at the Federal University of Rio de Janeiro. First, Biological Sciences, and some years later, Law School.

Mauro, Bernardo and Fabio, at a coffe shop in Rio de Janeiro, at the moment of creation of the 100,000,000 Genecoins, using an ICO launching platform from Estonia, on the internet.

Barbara Schorchit, winner of the Hackathon at PUC-Rio in 2017

If you like the Genecoin project, please share this article with your friends and followers. Thank You!

 

**This text was originally published at https://medium.com/@bernardoagmonte/let-me-tell-you-the-story-of-genecoin-ffe03c23104b on January 27th, 2018.

Anúncios

Posso criar uma moeda? (continuação 2)

  • O risco de sanção pela CVM.

shutterstock_681687331

No texto anterior (continuação 1), vimos como evitar riscos jurídicos na emissão de uma nova moeda, seja ela metálica, de papel ou virtual como as criptomoedas Bitcoin, Ether ou Dogecoin. Continuando o mesmo assunto, gostaria de chamar atenção para os riscos decorrentes do lançamento de criptomoedas que sejam mais do que moedas. Sim, criptomoedas têm vocação para assumir outros papéis além de moeda e isso pode causar atritos com a CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Vou explicar.

Os puristas dirão que criptomoedas têm sua própria rede blockchain, enquanto que os tokens precisam ser hospedados em uma rede como a Ethereum, que já tem sua criptomoeda Ether. Portanto, tokens e criptomoedas seriam coisas diferentes. Neste artigo, adoto o entendimento de que criptomoedas são tokens, mas nem todo token é uma criptomoeda. Alguns poderão discordar, dizendo que tokens não são moedas, pois seriam apenas unidades de direitos que podem ser exercidos ou trocados em uma rede blockchain, semelhantes a ações de empresas, direitos de voto, direitos de propriedade, direitos a dividendos, direitos a descontos na compra de serviços de DApps (Decentralized Applications) ou DAOs (Decentrilized Autonomous Organizations), etc. Mas acredito que a maioria concordará que a função de moeda de troca é uma das funções possíveis dos tokens. Criptomoedas são espécies de tokens.

Podemos pensar nos tokens de uma rede blockchain como uma forma de comunicar valor entre as pessoas ou entre pessoas e programas autônomos como Dapps e DAOs.

Quanto às criptomoedas, algumas são tokens intrínsecos (intrinsic tokens) enquanto outras são consideradas tokens lastreados em algum ativo (asset-backed tokens). Exemplos de tokens intrínsecos são:

  • BTC na rede blockchain do Bitcoin
  • XRP na rede Ripple
  • NXT na plataforma NXT
  • ETH na rede Ethereum

O token intrínseco normalmente é parte essencial de sua rede blockchain, sendo necessário para o funcionamento da rede. Ele pode ser minerado como incentivo para pessoas que oferecem poder computacional para a rede funcionar. Por outro lado, o custo das transações na rede blockchain é pago com esses mesmos tokens, o que desestimula transações indesejadas, classificadas como spam.

Os “tokens lastreados em algum ativo” são chamados assim pois alguém (uma autoridade central qualquer) garante a recompra desses tokens por algum valor em outra moeda, ou garante a troca do token por algum bem determinado. Esse token, portanto, representa algum bem determinado ou tem um valor pré-definido. A diferença entre token intrínseco e token lastreado em ativos tem relação mais importante com o uso que é dado ao token do que à tecnologia usada para criá-lo.

Se entendermos as redes blockchain como livros contábeis que registram entradas e saídas de valores eletronicamente, os tokens podem ser considerados como representações das quantidades de recursos atribuídos a alguém, resultantes dessas operações contábeis, sejam esses tokens intrínsecos, lastreados em algum ativo ou simples direitos “tokenizados”, como o direito a voto em forma de token, que certamente tem um valor e poderia ser vendido no mercado. Qualquer que seja o tipo de token, ele pode valorizar no mercado e ser trocado como se fosse uma moeda, podendo ser reserva de valor e ter liquidez.

A rede blockchain pode ser usada para contabilizar emissões ou compra e venda de tokens semelhantes a ações de empresas. Não é sem motivo que a oferta de novos tokens de propriedade, de direito de voto, de direito de compra futura de algum produto ou serviço (pré-venda), essa oferta de tokens é chamada de ICO (initial coin offering) ou oferta inicial de moedas. Não por acaso, ICO lembra IPO (initial public offering) ou oferta pública inicial, expressão usada para o lançamento de ações no mercado via bolsa de valores, o que é uma forma de as empresas captarem recursos financeiros em troca de títulos (ações) que garantem o recebimento de dividendos ou dão direito a votos.

Os IPOs, assim como as operações com valores mobiliários em geral, são regulados e fiscalizados no Brasil pela CVM, que trabalha para reduzir os riscos das ofertas de ações para o mercado e para os investidores. Como um ICO pode se assemelhar a um IPO em seus objetivos, mas por outro lado pode deixar muito a desejar quanto à segurança do investimento proposto, a CVM tem estado atenta à recente onda de ofertas públicas de tokens de redes blockchain (ICOs) nos quais pessoas criam e oferecem à venda seus títulos ou criptomoedas em troca de moeda fiat (reais, dólares, euros…) ou outras criptomoedas com maior valor e liquidez (em geral a moeda Ether ou ETH, da rede Ethereum).

Se a CVM, com base na Lei 6.385/76 que a criou, tem competência para exigir que uma emissora de valores mobiliários seja organizada sob a forma de uma sociedade anônima ou que suas demonstrações financeiras sejam auditadas por auditor nela registrado, a CVM pode impedir e processar quem fizer emissão de valores mobiliários disfarçados de criptomoedas, em ICOs que em geral não são realizados por sociedades anônimas, ou nem mesmo por sociedades, sendo organizados por pessoas físicas.

Há muitas razões para que um grupo de pessoas empreendedoras prefira fazer um ICO a um IPO. Por exemplo, o ICO pode ser feito imediatamente, a custo baixíssimo, sem burocracia, enquanto que um IPO pode levar um ano para ser organizado, a um custo de mais de R$ 2 milhões em taxas e honorários. Por esses e outros motivos, o ICO tem sido tratado por startups como uma forma de democratização da captação de recursos para novos empreendimentos, com a vantagem adicional de não envolver necessariamente a venda de participação societária.

A CVM lançou em 11/10/2017 uma nota sobre ICOs na qual afirma que essas ofertas de tokens ou moedas (ativos virtuais) podem ou não ser enquadradas como ofertas de valores mobiliários, dependendo da natureza e das funções dadas a esses tokens. Caso alguém faça um ICO com características de IPO (oferta de valores mobiliários) sem registro na CVM, essa pessoa estará sujeita a sanções previstas no art. 11 da Lei 6.385/76. Porém, a própria nota reconhece que até 11/10/2017, “não foi registrada nem dispensada de registro nenhuma oferta de ICO no Brasil”, afirmação que a CVM qualificou em sua nota como um “alerta”.

Concluindo, ao lançar uma moeda que possa ser confundida com valores mobiliários, por representar participação societária ou por ser uma promessa de participação nos lucros de uma empresa, a emissora da moeda pode sofrer sanções da CVM.

E então? Como responder à pergunta do título? Posso criar uma moeda? Sim, desde que observadas as cautelas abordadas nos textos anteriores e desde que a moeda lançada no mercado não tenha características de valores mobiliários, isto é, que não seja feito um IPO disfarçado de ICO. Dessa forma, esperamos que o ICO transcorra em paz com o Banco Central, com a CVM e o Ministério Público.

Caso queira entender se o seu ICO passaria no teste da SEC, a CVM dos EUA, ou saber se os seus tokens podem ser considerados valores mobiliários, leia as orientações organizadas pelas empresas Coinbase, Coin Center, Union Square Ventures e Consensys.

Espere para os próximos dias, aqui no Direito com um Grão de Sal, outro texto com mais questões relevantes sobre segurança jurídica de ICOs. Até.

– Bernardo Monteiro

Posso criar uma moeda? (continuação 1)

pexels-photo-164474

  • Precauções para quem quer criar uma moeda.

No primeiro texto da série “Posso criar uma moeda?”, vimos que a criação no Brasil de uma moeda paralela, não oficial, pode ser crime, contravenção, ato inválido ou pode merecer aplausos do Banco Central e da Justiça brasileira, como no caso das moedas CDD, da Cidade de Deus no Rio de Janeiro, ou Palma, de Fortaleza, ambas reconhecidas como “moedas sociais” que estimulam a economia das comunidades onde foram criadas.

Vimos também que essas moedas sociais, que circulam em notas de papel sem os recursos de segurança da moeda oficial, podem ser falsificadas com relativa facilidade, o que poderia ser evitado com o uso de criptomoedas, baseadas em tecnologia blockchain, à prova de falsificações.

Terminamos o primeiro texto da série mencionando os comunicados do BACEN, que alertam para a volatilidade dos investimentos em criptomoedas, sem no entanto condená-las, reconhecendo que elas não apresentam hoje um risco sistêmico para a economia; e ainda o projeto de lei 2.303 de 2015, cujo parecer de sua comissão especial, de 14/12/2017, opina favoravelmente à criminalização da emissão, intermediação de troca, armazenamento e troca de moeda virtual ou criptomoeda.

As criptomoedas que mencionei, CDD e Palma, foram criadas por associações sem fins lucrativos que funcionam como bancos comunitários, não regulados pelo Banco Central, mas incentivados pelo governo. Esses bancos sem fins lucrativos ganham dinheiro fazendo empréstimos a juros não muito altos – se comparados com os das instituições financeiras – e recebendo doações.

Neste artigo, deixarei de lado a questão da criação e funcionamento de bancos sem fins lucrativos, não regulados pelo Banco Central, o que me parece um assunto extremamente polêmico e baseado em profunda insegurança jurídica, para me concentrar na “criação de moedas paralelas”, assunto não menos polêmico, que deve ganhar extrema relevância nesse início de século XXI.

No livro “The Internet of Money”, o autor Andreas M. Antonopoulos reúne a transcrição de suas palestras, proferidas entre 2013 e 2016, nas quais expõe suas reflexões sobre as a natureza, os usos e as potencialidades das criptomoedas, e faz alguns exercícios de futurologia. Em ao menos duas dessas palestras, Andreas diz que uma das perguntas mais interessantes que ele costuma ouvir é “quantas moedas existirão?” A resposta, diz ele, é equivalente a “quantos bloggers existirão na internet?” Não serão centenas de moedas, mas milhares, dezenas de milhares.

Empresas estão criando suas moedas para alavancar seus negócios assim como um jovem pode criar uma moeda em homenagem a um cachorro, como a Dogecoin. E que moeda será adotada pela população? A da empresa, ou a do cachorro? Talvez a da empresa, talvez a do cachorro, e possivelmente teremos muitas outras moedas com ou sem lastro, com ou sem projeto, com ou sem nacionalidade… moedas que surgem como memes na internet, que viralizam, e que circulam como meio de troca, como reserva de valor, com total liquidez e segurança anti-falsificações.

É possível que muitos brasileiros criem suas criptomoedas. Algumas já foram criadas em nosso país, como a Tokcoin, a Anti Bureaucracy Coin (ABC), a Niobium, a MarteXcoin, que surgem entre os primeiros resultados em uma pesquisa no Google por “criptomoeda brasileira”.

Para quem ainda não entendeu as vantagens de se criar uma criptomoeda, aqui vão algumas, inspiradas na tese de doutorado de Marusa Vasconcelos Freire:

  • estimular e fortalecer a economia de uma localidade ou comunidade;
  • facilitar trocas entre pessoas desbancarizadas ou em situações em que os bancos e governos criam excesso de burocracia, dificultando ou elevando o tempo e o custo de transações; e
  • transformar a natureza das trocas no circuito econômico comunitário.

O criador da moeda também é beneficiado com a sua criação, pois pode guardar uma pequena quantia dessas moedas para si. Dessa forma, quando a moeda valoriza, o criador passa a ter uma reserva de valor. O inventor do blockchain e do bitcoin, conhecido como Satoshi Nakamoto, reservou para si 700.000 bitcoins, ou seja, exatos 1/30 das 21.000.000 de bitcoins. Considerando que um bitcoin vale hoje mais de USD 10.000,00, após uma valorização meteórica este ano, Satoshi Nakamoto pode ser considerado um homem bem sucedido, com patrimônio equivalente a mais de USD 7 bilhões.

Apesar de poder ser um bom negócio, quando funciona (e fazer funcionar não é nada fácil), a criação de moedas no Brasil, desde que caracterizada como atividade sem fins lucrativos, não se enquadra como atividade financeira a ser regulada pelo Banco Central (parágrafo 17 do parecer PGBC- 149/2010, de 2/6/2010, no processo 1001468383).

Já vimos algumas dicas de como contornar os obstáculos legais à criação de uma moeda. E quanto à Constituição, que diz ser competência exclusiva da União a emissão de moeda? Bom, entendo que devemos interpretar a Constituição de modo a considerar que essa emissão de moeda pela União, sob responsabilidade do Banco Central, refere-se à moeda oficial, moeda em sentido estrito. As moeda paralelas seriam moedas em sentido amplo, como os títulos emitidos por empresas.

Vejamos ainda mais um argumento que conta muitos pontos para a legalização de uma moeda. Se alguém cria e possui uma moeda, pode vender, doar, trocar por outras moedas, pagar por produtos ou serviços, ou emprestar quantias dessa moeda. Essas operações podem ser entendidas, em certos casos, como “experimentação, não lucrativa, de novos modelos sócio-produtivos e de sistemas alternativos de produção, comércio, emprego e crédito”. Se você observou bem, a frase está entre aspas, por um bom motivo: é o texto do inciso IX do artigo 3º da Lei 9.790/99, a Lei das OSCIPs (organizações da sociedade civil de interesse público). Essa lei de certa forma autoriza tal atividade de “experimentação” econômica, não lucrativa, pois diz que a pessoa jurídica sem fins lucrativos que exercer essa atividade, dentre outras listadas no artigo 3º, poderá ganhar a qualificação de OSCIP, o que lhe permite celebrar Termos de Parceria com o Poder Público e receber doações de empresas que descontam esses valores de seu imposto de renda. Portanto, de acordo com a nossa legislação, realizar “experimentação, não lucrativa, de novos modelos sócio-produtivos e de sistemas alternativos de produção, comércio, emprego e crédito” é considerada uma atividade digna de mérito.

Marusa Vasconcelos Freire percebeu isso e, com todas as letras e números, disse em sua tese, folha 29, que sua pesquisa “restringe-se à análise jurídica das moedas sociais como instrumentos de programas de finanças solidárias e de empreendimentos que envolvem experimentação, não lucrativa, de novos modelos socio-produtivos e de sistemas alternativos de produção, comércio e crédito, legalmente autorizados pela Lei 9.790, de 23 de março de 1990.” O grifo é meu, mas as palavras são da Marusa, procuradora do Banco Central.

Criar e pôr em circulação uma moeda de forma não lucrativa pode ser uma maneira de se proteger de uma avaliação negativa do Banco Central. Para garantir que a atividade não tenha fins lucrativos, a receita da venda da moeda deve ser usada apenas para os fins sociais de uma associação cujas atividades sejam relacionadas à circulação da moeda em uma determinada comunidade.

Uma associação é uma pessoa jurídica que, por definição, não tem fins lucrativos e por isso não pode distribuir lucros, apesar de poder remunerar seus dirigentes com pro labores limitados a 70% do teto do Poder Executivo, e pagar seus empregados e fornecedores a preços de mercado.

O uso de uma associação sem fins lucrativos para venda de uma moeda (initial coin offering ou ICO) é fator de confiabilidade do projeto, pois garante que os recursos serão usados exclusivamente para os fins da associação, mesmo que ela seja encerrada, caso em que seu patrimônio deve ser destinado a outra associação que tenha finalidade semelhante.

Com base no exposto nesses dois primeiros textos da série “Posso criar uma moeda?”, podemos listar já algumas precauções a serem adotadas por quem gostaria de responder “sim” à pergunta do título:

  1. realizar a emissão da moeda por uma associação sem fins lucrativos, com base em finalidades relacionadas aos princípios constitucionais da dignidade, da solidariedade, da liberdade, de uma sociedade fundada no trabalho que tenha como objetivo o bem-estar e a justiça social;
  2. não prometer a troca da moeda por dinheiro, para evitar o enquadramento no art. 292 do Código Penal;
  3. não criar uma moeda que possa se confundir com o Real ou outra moeda oficial, para não caracterizar contravenção do artigo 44 da Lei de Contravenções Penais;
  4. não emprestar a moeda a juros superiores aos juros legais de 1% ao mês para não violar a lei da usura ou caracterizar a agiotagem (só as instituições financeiras têm autorização do Banco Central para a prática de juros acima de 1% ao mês).

Enquanto deputados tentam criminalizar a emissão de criptomoedas, tenho confiança de que a tecnologia blockchain e suas moedas vieram para ficar. Por isso, aposto na emissão de moedas com apoio ou ao menos tolerância por parte do governo brasileiro, agora e no futuro. Portanto, acho que vale a pena o estudo dos riscos jurídicos realacionados a essa atividade.

Nos próximos textos da série, gostaria de abordar outros riscos jurídicos relacionados a atributos possíveis das criptomoedas, ou melhor, de seus tokens, que combinados com contratos inteligentes, podem assumir outras funções além de simples moeda. Até lá.

– Bernardo Monteiro

Continua em Posso criar uma moeda? (continuação 2)

Absoluta prioridade

 

13059508_857575954371161_1075551549_n
Eu, brincando de soldado maluquinho.

O que tem absoluta prioridade no Direito? A criança. E agora tenho o privilégio de escrever sobre esse tema na revista Canguru – criando filhos.

Minha estreia ocorreu esta semana, tanto na revista impressa, com um artigo sobre a história dos direitos da criança, como em um dos blogs da Canguru online.

A Canguru já existia em Belo Horizonte e agora está sendo lançada no Rio de Janeiro e São Paulo. Se você gosta de criança, vale a pena conferir. Siga os links abaixo para os meus artigos e para a página principal da Canguru:

 

 

Animais poderão ser “não coisas”

Projeto de lei pretende alterar a natureza jurídica dos animais.

  • Sobre a utilidade do Projeto de Lei 3670/15. 

shutterstock_90826274

Pensei que estivesse equivocada a notícia da Câmara dos Deputados publicada hoje, 20 de janeiro de 2017:

“A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou projeto que estabelece que animais não sejam considerados coisas, mas bens móveis e altera o Código Civil (Lei 10.406/02) ao prever uma nova natureza jurídica dos animais. A medida está prevista no Projeto de Lei 3670/15, do Senado.”

A notícia, no entanto, é fiel aos fatos do Poder Legislativo. O Projeto de Lei 3670/2015 prevê exatamente isso: animais não são mais coisas, embora sejam bens móveis.

Até agora, os animais vêm sendo considerados “semoventes” no Direito brasileiro. Semovente, termo usado no Código de Processo Civil, é bem móvel capaz de movimento próprio.

Há juristas brasileiros que fazem distinção entre bem e coisa, mas a discussão me parece irrelevante. Bens são objetos de direitos. “Entende-se por bens tudo o que pode proporcionar utilidade aos homens” diz Silvio de Salvo Venosa. “São bens jurídicos, antes de tudo, os de natureza patrimonial” mas “a ordem jurídica envolve ainda outros bens inestimáveis economicamente” como o estado de filiação, o direito ao nome, o poder sobre os filhos, diz Caio Mario da Silva Pereira.

Para Caio Mario, as coisas são materiais, enquanto que os bens podem ser materiais ou imateriais. Já Silvio Venosa diz haver uma polêmica em que alguns juristas defendem ser a coisa uma espécie de bem, enquanto outros juristas defendem o contrário, bem ser espécie de coisa.

Voltando ao ponto, hoje no Direito brasileiro, os animais são bens móveis e coisas, simultaneamente. No texto do Projeto de Lei 3670/2015 lê-se que “Os animais não serão considerados coisas” mas por outro lado serão considerados bens móveis. Ora os animais sempre foram bens móveis, do tipo semoventes. Agora reflitamos: como um bem material corpóreo, como um animal, poderia ser uma “não coisa”?

Na notícia da Câmara dos Deputados, lê-se ainda que o relator do projeto, Ricardo Tripoli, teria dito que “A proposição não acarreta, no entanto, qualquer risco à propriedade dos animais, visto que, para efeitos legais, continuam sendo bens móveis. Mas são bens especiais, por considerar que se tratam de seres sencientes, que não podem ser tratados simplesmente como mesas e cadeiras”.

O Projeto de Lei parece bem intencionado, portanto. Mas que efeitos ele poderia gerar, além de chamar a atenção para o assunto “defesa dos animais”? Eu evito a expressão “direitos dos animais” pois, a rigor, somente pessoas têm direitos. Como o nosso Direito vigente e o Projeto de Lei 3670/2015 classificam os animais como bens (objetos de direitos) e não como pessoas (sujeitos de direitos), animais não têm direitos, ao menos por enquanto.

Uma pessoa, juridicamente, não é considerada coisa nem bem. Os bens e as coisas podem ser apropriadas pelo homem, exceto as coisas comuns, como o ar atmosférico e os mares, insuscetíveis de apropriação. A pessoa não pode ser apropriada por ninguém, apesar de ser material e corpórea, do ponto de vista jurídico. A pessoa tem dignidade, qualidade não compartilhada com bens e coisas.

Ao criar para os animais uma classe inusitada de “bens materiais corpóreos não coisas”, o Projeto de Lei 3670/2015 corre o risco de não atingir seu objetivo. O legislador pretende retirar os animais do grupo das coisas, mantendo-os no grupo dos bens móveis, sem dizer o que isso significa. São seres “senscientes” diz o relator, ou seja, são seres com sentimentos, que sentem prazer ou sofrimento, por exemplo. Por isso não devem ser tratados como uma mesa ou cadeira. Mas como devem ser tratados afinal?

O Projeto de Lei 3670/2015 não equipara os animais a pessoas nem os coloca em uma categoria entre coisas e pessoas. Concluo que o Projeto não inova de forma útil.

Ao evitar a discussão sobre personalidade e direito dos animais, o legislador brasileiro limita-se à bizarrice. Um projeto de lei tão extravagante merecia ao menos um bom texto que o justifique. Se o legislador se preocupasse em justificar por escrito as leis que cria, com base em análise do ordenamento jurídico em vigor, talvez percebesse a desnecessidade de criações como essa. Nosso país espera outras reformas, não só úteis como urgentes.

Planejamento da incapacidade superveniente (versão atualizada)

Nós todos podemos ser interditados no futuro, por perda da capacidade de discernimento. Após a interdição, perdemos o poder de decisão em assuntos patrimoniais ou negociais, que passam a ser tratados pelo nosso curador, que normalmente é um membro próximo da família, nomeado pelo juiz do processo de interdição. Como garantir que esse curador decidirá conforme o nosso interesse, segundo a nossa vontade manifestada enquanto ainda temos saúde mental?

  • Nós todos podemos ser interditados no futuro, por perda da capacidade de discernimento. Após a interdição, perdemos o poder de decisão em assuntos patrimoniais ou negociais, que passam a ser tratados pelo nosso curador, que normalmente é um membro próximo da família, nomeado pelo juiz do processo de interdição. Como garantir que esse curador decidirá conforme o nosso interesse, segundo a nossa vontade manifestada enquanto ainda temos saúde mental? Esta é a pergunta que responderemos a seguir.

shutterstock_276025604

A pessoa com doença degenerativa, como a demência associada a Parkinson, ou o mal de Alzheimer, ou outra doença qualquer que, ao desenvolver seus sintomas, afete a capacidade de discernimento, essa pessoa é considerada deficiente mental, conforme o artigo 2º do Estatuto da Pessoa com Deficiência, Lei 13.146/16:

Art. 2º. Considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas.

O Estatuto da Pessoa com Deficiência prevê a curatela (instituída por meio do processo de interdição) da pessoa com deficiência, quando necessário:

Art. 84. A pessoa com deficiência tem assegurado o direito ao exercício de sua capacidade legal em igualdade de condições com as demais pessoas.

§ 1º. Quando necessário, a pessoa com deficiência será submetida à curatela, conforme a lei.

Portanto, mesmo que o Estatuto da Pessoa com Deficiência tenha revogado parte dos artigos 3º e 4º do Código Civil, fazendo com que os deficientes mentais não sejam mais listados como civilmente incapazes, e mesmo com a revogação de parte do artigo 1.767 do Código Civil, que agora também deixou de listar os deficientes mentais como sujeitos à curatela, o artigo 84, § 1º do Estatuto mantém a possibilidade de interdição e curatela dos deficientes mentais.

De fato, os deficientes mentais continuam sendo interditados por meio de processos judiciais, em que são defendidos por advogado ou defensor público, sob a fiscalização do Ministério Público, responsável por garantir os direitos dos incapazes.

No entanto, note-se que a nova lei trouxe para a interdição algumas mudanças no regime da curatela, tais como a limitação da interdição aos atos patrimoniais e negociais, ou seja, o curador não pode interferir nas decisões do interditando referentes a casar ou ter filhos, por exemplo.

Ocorre que uma pessoa diagnosticada com doença mental, em alguns casos, pode viver por vários anos, com saúde suficiente para não precisar ser interditada, antes que os sintomas da doença comprometam o seu discernimento. Enquanto tem saúde, essa pessoa pode tomar algumas medidas que ajudem a garantir que o seu curador tomará decisões compatíveis com o seu real interesse, conforme sua vontade manifestada antes da chegada da incapacidade cognitiva. Neste artigo, sugerimos a realização de um contrato, que chamaremos de Acordo Vital, para um planejamento eficaz da incapacidade superveniente.

Para ter eficácia, o Acordo Vital deve resolver os conflitos de interesses entre os familiares e evitar que as pessoas com poderes legais para atuar como curadoras possam interferir de forma contrária à vontade do interditado manifestada antes da interdição, antes da perda de discernimento. Para isso, é necessário que o Acordo Vital seja assinado pelo interessado no planejamento de sua interdição e curatela, pelo seu cônjuge, pelos seus pais e pelos seus descendentes, se houver.

O Acordo Vital deve ser assinado ainda pela pessoa que o interditando indica como aquela que deverá ser ouvida quanto às decisões de administração dos bens, mesmo que as decisões finais sejam tomadas ou assinadas pelo curador. Essa pessoa indicada pelo interditando, uma espécie de conselheiro, deve figurar como anuente, caso se interprete o Acordo Vital como um contrato de estipulação em favor de terceiro, ou seja, em favor da pessoa indicada pelo interditando.

Os familiares elegíveis para o múnus de curador devem figurar como contratados. No Acordo Vital, os familiares recebem a obrigação de não fazer, de não interferir nos desígnios do escolhido pelo interditando para reger sua vida no período de interdição e curatela. Porém, o familiar escolhido pelo juiz como curador tem esse direito de cuidar do interditado, por lei.

Com isso, espera-se do Acordo Vital que sirva de contrato em que o interditando terá, provavelmente, que oferecer alguma compensação ou condição econômica aos familiares para que eles aceitem o compromisso de respeitar os desígnios do conselheiro escolhido pelo interditando. O curador, nesse caso, ainda que escolhido pelo juiz, caso seja pessoa diferente da escolhida pelo interditando no Acordo Vital, esse curador será apenas um representante ou assistente do interditado. A assinatura do curador seria requerida para as contratações em nome do interditado, mas esse curador teria que obedecer aos desígnios da pessoa indicada no Acordo Vital, como um conselheiro cujos conselhos tornam-se obrigatórios ao curador.

Nada impede que o conselheiro escolhido pelo interditando seja também escolhido para curador pelo juiz da interdição. Mas, caso isso não ocorra, o curador ficará adstrito aos desígnios do conselheiro, pessoa de confiança do interditando, conforme manifestação de vontade registrada no Acordo Vital antes da perda do discernimento.

A vantagem do Acordo Vital é a possibilidade de discussão de assuntos relevantes para o período de interdição e curatela do interditando, durante um período de sanidade e capacidade civil do mesmo. O interditando, ainda são, pode negociar com os seus familiares a melhor forma de ser tratado futuramente, quando sua manifestação de vontade para assuntos patrimoniais e negociais terá eficácia reduzida.

Apesar da falta de previsão legal de um contrato típico com a finalidade de produzir uma declaração antecipada de vontade desse tipo, nada impede que o processo de interdição seja acompanhado por um contrato de Acordo Vital, respeitadas as normas materiais e processuais sobre interdição e curatela, e os requisitos de validade do negócio jurídico.

Além desses conceitos básicos do Direito brasileiro, devem-se observar as circunstâncias específicas de cada caso, para a redação, pelos advogados contratados, de Acordos Vitais válidos e eficazes.

Referências

ABREU, Célia Barbosa. Curatela e Interdição Civil. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2009.

BDINE JR., Hamid Charaf. In PELUSO, Ministro Cezar (coord.). Código Civil Comentado. 3ª ed. – Barueri, SP: Editora Manole 2009.

COELHO, Thais Câmara Maia Fernandes. Autocuratela: Mandato Permanente Relativo a Questões Patrimoniais para o Caso de Incapacidade Superveniente. Revista Brasileira de Direito das Famílias e Sucessões, nº 24, p. 5 a 15, out-nov 2011.

DIAS, Maria Berenice. Manual de Direito das Famílias. 5ª ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2009.

DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro – 5. Direito de Família. 22ª ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2007.

LOBO, Paulo. Com avanços legais, pessoas com deficiência mental não são mais incapazes. Disponível em http://www.conjur.com.br/2015-ago-16/processo-familiar-avancos-pessoas-deficiencia-mental-nao-sao-incapazes . Acesso em 25 de agosto de 2015.

MARX NETO, Edgard Audomar. Intervalos de Lucidez: subsídios para a teoria das incapacidades. Revista de Direito Privado, nº 51, vº 13, 2012, p. 379-404.

MENEZES, Joyceane Bezerra de. O direito protetivo no Brasil após a convenção sobre a proteção da pessoa com deficiência: impactos do novo CPC e do estatuto da pessoa com deficiência. Civilistica.com. Rio de Janeiro, a. 4, n. 1, jan.-jun./2015. Disponível em: <http://civilistica.com/o-direito-protetivo-no-brasil/&gt;. Data de acesso: 1 de setembro de 2015.

MOREIRA, José Carlos Barbosa. Eficácia da Sentença de interdição por alienação mental. AJURIS, nº 37, v. 13, 1986, 238-244.

PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de Direito Civil – vol III – Contratos. 12ª edição. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2006.

REQUIÃO, Maurício. Estatuto da Pessoa com Deficiência altera regime civil das incapacidades. Disponível em http://www.conjur.com.br/2015-jul-20/estatuto-pessoa-deficiencia-altera-regime-incapacidades . Acesso em 31 de agosto de 2015.

SÁ, Maria de Fátima Freire de, e MOUREIRA, Diogo Luna. A Capacidade dos Incapazes: Saúde mental e uma releitura da teoria das incapacidades no direito privado. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2011.

SARMENTO, Eduardo Sócrates Castanheira. A Interdição no Direito Brasileiro. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2008.

SCHRAMM JA, Oliveira AF, Leite IC, Valente JG, Gadelha AJ, Portela MC, et al. Transição epidemiológica e o estudo de carga de doença no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva; 9 (4): 897-908, 2004. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csc/v9n4/a11v9n4 . Acesso em 26 de agosto de 2015.

SIMÃO, José Fernando. Estatuto da Pessoa com Deficiência Causa Perplexidade (Parte 1). Revista Consultor Jurídico, 6 de agosto de 2015. Disponível em http://www.conjur.com.br/2015-ago-06/jose-simao-estatuto-pessoa-deficiencia-causa-perplexidade . Acesso em 23 de novembro de 2015.

____________________. Estatuto da Pessoa com Deficiência Causa Perplexidade (Parte 2). Revista Consultor Jurídico, 7 de agosto de 2015. Disponível em http://www.conjur.com.br/2015-ago-07/jose-simao-estatuto-pessoa-deficiencia-traz-mudancas . Acesso em 23 de novembro de 2015.

SIMÃO, Rosana Barbosa Cipriano. Reflexões ministeriais sobre a saúde mental. Revista do Ministério Público. Estado do Rio de Janeiro, nº 42, 2011, p. 59-62.

SOUZA, Eduardo Nunes de; SILVA, Rodrigo da Guia. Autonomia, discernimento e vulnerabilidade: estudo sobre as invalidades negociais à luz do novo sistema das incapacidades. Civilistica.com. Rio de Janeiro, a. 5, n. 1, 2016. Disponível em: < http://civilistica.com/autonomia-discernimento-e-vulnerabilidade/&gt;. Data de acesso: 19 de agosto de 2016.

TARTUCE, Flávio. Alterações do Código Civil pela Lei 13.146/2015. Disponível em http://flaviotartuce.jusbrasil.com.br/noticias/213830256/alteracoes-do-codigo-civil-pela-lei-13146-2015 . Acesso em 26 de agosto de 2015.

TEIXEIRA, Ana Carolina Brochado. Deficiência Psíquica e Curatela. Revista Brasileira de Direito das Famílias e Sucessões, nº 7, v. 10, 2008-2009, p. 64-79.

O advogado entre a filosofia e a aventura

A importância da identificação da natureza jurídica de cada elemento de um sistema ou de um negócio analisado pelo advogado – uma espécie de jogo jurídico filosófico ontológico.

  • A importância da identificação da natureza jurídica de cada elemento de um sistema ou de um negócio analisado pelo advogado – uma espécie de jogo jurídico filosófico ontológico.

Há pessoas que não gostam das imposições da lei, da obrigação de pagar impostos, da proteção favorável ao consumidor em detrimento do fornecedor, ao trabalhador em detrimento do empregador… Essas pessoas querem advogados que as ajudem a enfrentar as leis de forma econômica e segura.

“O seu trabalho é dar um jeito, redigir um contrato ou documento que me proteja, me faça pagar menos impostos, menos encargos trabalhistas…”

É o que dizem muitas vezes aos advogados. Sim, até certo ponto essas pessoas têm razão.

“Eu tenho um plano de negócios e preciso que você me proteja nesse projeto. A lei proíbe, mas você pode chamar de outra coisa… dar um jeito?”

Esse é o ponto em que o cliente corre sério risco de perder a razão.

É dever do advogado aconselhar o cliente a não ingressar em aventura jurídica. Mas como o advogado sabe se uma demanda do cliente corresponde a uma aventura? Ele sabe não só pelo que diz a lei, mas principalmente pelo conhecimento da atividade do cliente e o estudo de sua natureza jurídica.

Ao longo da formação como advogado, brinca-se muito de natureza jurídica. É uma espécie de brinquedo de encaixe, em que se procuram as peças certas para passar em cada abertura.

Arina P Habich
Arina P Habich

Descobrir a natureza jurídica de uma coisa é saber classificá-la no mundo do Direito. Quem é advogado já brincou de descobrir a natureza jurídica das coisas. Qualquer coisa. Das coisas mais simples às mais bizarras. Cada coisa tem uma natureza jurídica. A natureza de uma mesa em uma casa de família é de um bem móvel, material, corpóreo, privado. Se fosse parte do patrimônio da câmara dos vereadores, seria um bem móvel, material, corpóreo, público de uso especial. O aspirante a advogado brinca com os encaixes nas classes jurídicas assim como a criança que tenta encaixar as peças de um brinquedo nas aberturas certas.

As classificações têm sua utilidade. Quem sabe classificar sabe reconhecer uma série de características de um bem, de um negócio, de uma manifestação de vontade ou de uma pessoa jurídica. Essas características jurídicas compõem a natureza jurídica de cada coisa, a partir da qual o advogado pode entender como funciona aquela coisa no mundo do Direito.

Para o advogado, não adianta mudar o nome das coisas como se muda uma marca de um produto. Se a coisa tem uma natureza, não adianta mudar o seu rótulo, ela continua sendo o que faz a sua natureza jurídica.

A mudança de rótulo pode enganar um consumidor, mas não engana um juiz, que é treinado para reconhecer a natureza jurídica de cada coisa.

Isso me faz lembrar do livro “Como vencer um debate sem precisar ter razão” de Arthur Shopenhauer. “38 estratagemas”, diz o subtítulo. Os tais estratagemas são formas falaciosas de argumentação, que só podem enganar uma plateia ignorante ou desatenta. Qualquer pessoa com um mínimo de preparo pode reconhecer as falácias nas técnicas apresentadas pelo autor. Então só se vence o debate aos olhos dos desatentos. Mas esse tipo de sucesso não pode ser considerado suficiente para aqueles que pretendem enfrentar a concorrência, a fiscalização de órgãos públicos e agências reguladoras, e eventuais ações judiciais.

O advogado assim apresentado parece um chato inflexível apegado às leis e normas jurídicas. O apego à natureza jurídica pode parecer uma limitação, à primeira vista, mas se bem utilizado pode abrir novas possibilidades nos negócios, nem sempre claras aos olhos do leigo.

Um exemplo simples é o contrato de compra e venda de imóvel “feito em papel de pão”. O comprador assina o contrato e paga o preço do imóvel. Depois descobre que a compra de imóvel, para ser válida, precisa ser feita em cartório, lavrando-se uma escritura pública, e se desespera! O que poderá fazer para obter o imóvel ou o dinheiro de volta se o contrato não vale como “compra e venda”?

Ao procurar um advogado, logo fica sabendo que aquele documento, apesar de ter o nome de contrato de compra e venda de imóvel, na verdade tem natureza jurídica de promessa de compra e venda, pois a vontade de comprar e a de vender foram manifestadas por escrito. Com esse contrato no papel de pão, o comprador pode inclusive propor ação judicial de adjudicação compulsória em que pede ao juiz que supra a manifestação de vontade no vendedor, caso este se recuse assinar uma escritura definitiva de compra e venda. Nessa ação, a sentença do juiz substitui a escritura de compra e venda de que o comprador precisa para registrar o imóvel em seu nome no cartório de registro de imóveis.

Sabendo a natureza jurídica de uma operação, o advogado consegue extrair dela a validade que ela pode ter ou reconhecer aquela nulidade que às vezes interessa a uma das partes.

Quem contrata advogado esperando que ele arme estratagemas para burlar a lei está se metendo em encrenca. E o advogado que aceita esse tipo de desafio pode ser o Indiana Jones do Direito, mas não merece ser chamado de advogado.

Nós e eles, em lento processo de unificação

  • Somos animais gregários e tendentes à cooperação. Porém, forças desagregadoras atuam em nossas relações, pela nossa natureza humana. Fazer prevalecerem as forças agregadoras é um desafio que vem sendo superado ao longo de milênios da nossa história, o que nos leva a entender que uma cultura de relações de confiança é fundamental para o desenvolvimento econômico de uma nação.

Yuval Noah Harari, em seu livro entitulado “Sapiens”, apresenta brilhantemente uma história da humanidade, da aparição da nossa espécie até os dias de hoje, e questiona: a nossa história tem uma direção? E sem rodeios ele responde: sim. Parece muito claro para o historiador Y. N. Harari que, por milênios, culturas pequenas e simples gradualmente crescem e tornam-se civilizações mais complexas, incorporando outras civilizações menores, unificando impérios cada vez maiores. O autor chega a dizer que estamos vivendo já uma realidade que se aproxima muito de um grande império globalizado, e relativamente pacífico quando comparado aos séculos e milênios passados.

Captura de Tela 2015-12-06 às 12.12.05

Entenda que o caminho da história em direção às unificações, apontada por Harari, é uma generalização, verdadeira apenas em uma macroanálise. A direção da história é uma resultante, a longo prazo, de muitas reviravoltas e relações extremamente complexas, desenvolvidas por caminhos tortuosos. Os retrocessos podem durar longos períodos. Para se chegar a uma definição da direção da história, não basta observar décadas ou séculos de humanidade “em voo de pássaro”, é preciso tomar um afastamento de um satélite em órbita, como observar a Terra da Lua, e analisar milênios da nossa evolução.

Os grandes grupos humanos sustentam  e mantêm sua organização viva com base em ficções como o dinheiro e a pessoa jurídica (Estados, cidades, sociedades empresárias, etc.). É impressionante como essas ficções, assim como a religião, são capazes de unir grandes grupos de pessoas que passam a se reconhecer como um povo, com uma identidade comum. As pessoas assim identificadas como pertencentes ao mesmo grupo tendem a se proteger mutuamente.

Em todas as espécies animais existem dois grupos rivais: nós e eles. Quem não é identificado como membro do nosso grupo geralmente é olhado com desconfiança. É a lógica dos grupos de chimpanzés, cada um com no máximo algumas dezenas de indivíduos, ou das torcidas de futebol, eternamente movidas por furiosas paixões, ou ainda a disputa entre cariocas e paulistas.

A cooperação costuma ser mais fácil e espontânea entre pessoas que se identificam como membros do mesmo grupo. Alunos de um determinado colégio ficam felizes em saber que têm resultados melhores do que os de outro colégio nos concursos de admissão nas universidades. Moradores de uma cidade ficam orgulhosos quando realizam melhorias em suas ruas e praças, mesmo que cidades vizinhas sofram com falta de recursos. Países vítimas de ataques terroristas bombardeiam as bases dos grupos extremistas em outros países e são acusados por estes de serem os verdadeiros terroristas.

Se os terroristas estão em outro país, têm outra religião, outra cultura e exploram recursos naturais valiosos em seu território, muitos acham justificável a guerra e os bombardeios cujos efeitos envolvem a morte de milhares de civis inocentes. Se os terroristas estão em nosso próprio país, temos mais cuidado ao perseguí-los, pois não aceitamos bombardear nosso próprio território.

Se convivemos com um animal de estimação, a ponto de lhe darmos um nome, a proximidade com o bichinho nos faz levá-lo ao veterinário, dar comida a ele, fazemos até enterro quando ele morre, como se fosse parente ou amigo. Por outro lado, se o animal faz parte de uma população criada para o abate, somos capazes de manter o bicho em confinamento, sem poder se mexer, sem carinho, sem nenhuma liberdade, apenas para comermos sua carne após a engorda.

Voltando ao que diz Harari no livro Sapiens, se um dia aceitarmos ao menos 10% dos que as associações protetoras dos animais defendem, teremos que reconhecer que a criação de animais em confinamento para o abate tem se perpetuado como o maior crime da humanidade.

No passado não muito distante, e ainda encontramos resquícios dessas práticas no presente, escravizávamos indivíduos da nossa espécie, sem remorso e sem piedade, pois não considerávamos os escravos seres dignos de liberdade, pois simplesmente não eram pessoas, portanto não faziam parte do “nosso grupo”.

Alguns grupos tendem a ser mais inclusivos. Os cristãos pregam que todas as pessoas são irmãos, filhos de Deus. Os Budistas entendem que cada um está em todos os outros e em todas as coisas do universo, e que tudo está interligado, portanto não haveria um grupo que inclui e outro que exclui um indivíduo. Ainda para os budistas, os animais sencientes merecem a nossa proteção e não devem ser mortos nem mesmo para a alimentação.

Apesar da persistência de atitudes orientadas para a segregação e pelo preconceito, ainda assim a história parece nos levar para o caminho da união, inclusão e cooperação. Como dizem, somos animais gregários, mesmo que a componente desagregadora do preconceito tenha sempre alguma força. Aliás, quanto a isso, o universo parece ser coerente em muitos níveis, com uma força desagregadora, chamada força fraca, e uma força agregadora, chamada força forte, ambas atuando na estabilidade das partículas integrantes dos núcleos dos átomos. Físicos e sociólogos podem se divertir discutindo se essas simetrias em diferentes escalas têm algum significado ou razão de ser.

De fato, em qualquer sociedade, temos pessoas que atuam de forma desagregadora, não cooperativa, e outras que atuam de forma agregadora, cooperando para o bem comum. Essas relações complexas são objeto da chamada Teoria dos Jogos, desenvolvida ao longo do século XX, tendo como um de seus expoentes mais populares o matemático John Nash, agraciado com o prêmio Nobel.

A atitude altruísta, de cooperação, costuma estar ligada a relações de confiança. Isto se explica pelo fato de ser desvantajoso manter uma conduta de cooperar quando a outra parte não coopera. Nesse caso, forma-se uma relação parasitária, em que um trabalha para alimentar a si e aos outros que não querem trabalhar.

Em sociedades com altos níveis de corrupção, não há confiança nem cooperação, e a sociedade empobrece enquanto poucos parasitas enriquecem. Já em uma sociedade onde prevalece a cultura da confiança, a sociedade enriquece junta. Essa é a conclusão que Alain Peyrefitte antecipa logo no início do livro “La Societé de Confiance”.

Capa

 

O que causa a riqueza ou a pobreza das nações? Alain Peyrefitte aponta vários possíveis causas, mas identifica as relações de confiança como o fator principal do desenvolvimento econômico.

Mas como sair da sociedade de desafio, onde um ganha quando o outro perde, e chegar na sociedade da confiança, onde todos ganham juntos? Esse é justamente o desafio da “Teoria dos Jogos”, desenvolvida pelos matemáticos. Se os políticos e o povo têm dificuldade para resolver o problema da sociedade corrupta, talvez possam buscar soluções entre os matemáticos.

De fato, alguns chegaram ao desenvolvimento, enquanto outros continuam sendo promessas. A análise histórica de Peyrefitte é de grande importância para o entendimento dessa dinâmica. Ela será abordada em mais detalhes em um artigo futuro.

Artigos relacionados:

É possível gerir negócios alheios legalmente, sem procuração ou autorização?

A realização de negócios de Direito Patrimonial Privado em nome de outra pessoa, sem procuração, pode ser feita legalmente, desde que observadas as normas dos artigos 861 a 875, do Código Civil brasileiro, sobre “atos unilaterais de gestão de negócios”.

  • A realização de negócios de Direito Patrimonial Privado em nome de outra pessoa, sem procuração, pode ser feita legalmente, desde que observadas as normas dos artigos 861 a 875, do Código Civil brasileiro, sobre “atos unilaterais de gestão de negócios”.

Seria muito inconsequente dizer simplesmente que qualquer pessoa de boa-fé pode realizar atos de gestão do negócio de outra pessoa sem autorização ou procuração. Se o dono do negócio ou seu administrador tem condições de gerir, terceiros não devem interferir nessa gestão. Mas em algumas circunstâncias, torna-se desejável que terceiros tomem iniciativas, ainda que não expressamente autorizados, para evitar prejuízos ou garantir ganhos no negócio de outra pessoa.

Essas iniciativas de gestão que excedem os poderes do gestor são tratadas, às vezes, com desconfiança e reprovação em contratos sociais ou estatutos de empresas. O contrato pode prever que o sócio ou administrador que praticar atos em excesso de poder “responderá” pessoalmente por eles. “Responder” nesses casos refere-se a ter “responsabilidade civil”, que pode ser explicado em português claro como um dever de indenizar, com dinheiro do bolso do próprio gestor. Mas esse tipo de regra contratual de responsabilização automática do gestor em excesso de poderes não decorre necessariamente do que está na lei.

shutterstock_325114352

Vejamos como funciona o Código Civil com relação ao gestor de sociedade quando ele excede os poderes de administração. Continue Lendo “É possível gerir negócios alheios legalmente, sem procuração ou autorização?”

Quando a procuração perde a validade? E o que pode ser feito?

Uma procuração pode perder a validade por vários motivos, mesmo que ainda esteja dentro do prazo, ou mesmo que não tenha prazo de vigência. Em caso de ausência ou invalidade da procuração, o interessado pode praticar atos unilaterais de gestão de negócios que pertencem a outra pessoa, mesmo sem autorização, desde que siga a vontade presumida da dona do negócio.

  • Uma procuração pode perder a validade por vários motivos, mesmo que ainda esteja dentro do prazo, ou mesmo que não tenha prazo de vigência. Em caso de ausência ou invalidade da procuração, o interessado pode praticar atos unilaterais de gestão de negócios que pertencem a outra pessoa, mesmo sem autorização, desde que siga a vontade presumida da dona do negócio.

A procuração é o documento, assinado pelo mandante, que dá forma ao contrato de mandato, definido no Código Civil a partir do artigo 653. A procuração transfere poderes do mandante ao mandatário, também chamado de procurador. Com uma procuração, o mandatário pode praticar determinados atos da vida civil em nome do mandante, devendo prestar contas ao mandante, e devendo indenizar qualquer prejuízo causado com culpa.

shutterstock_313073270

A procuração pode ter data de validade ou não. Se a procuração não perder a validade por atingir o fim da vigência apontado no próprio texto do mandato, poderá tornar-se inválida pelos seguintes motivos (artigo 682 do Código Civil): Continue Lendo “Quando a procuração perde a validade? E o que pode ser feito?”